Nem só de mar e sol vive o mercado imobiliário das casas de veraneio. Corretores apontam que o fator infra-estrutura aliada à disponibilidade dos terrenos tem atraído investimentos, sobretudo estrangeiros em praias do litoral sul e norte. Se em Ponta Negra já é visível o boom imobiliário, em praias como Pirangi a agitação de shows e eventos e a falta de terrenos para construção tem freado a alta no preço dos imóveis da praia. O contrário ocorre nas praias do litoral Norte, onde há grandes faixas de terreno ainda disponíveis.

É notório que a ponte Forte-Redinha, com conclusão prevista para junho de 2006, trará investimentos para o Litoral Norte, mas também a grande quantidade de terrenos em grande extensão a espera de serem comercializados como motivo para a alta procura. Em muitas praias do litoral norte a falta de estrutura, como escassez de hospitais, também é atrativo, explicam os corretores. É que esse fator desvaloriza o preço dos terrenos, mas há também a previsão de altos investimentos governamentais e da iniciativa privada para aquele litoral.

Se Pirangi já tem esgotado seu potencial imobiliário, afirma um corretor, ele mantém o preço valorizado, em média de R$ 300 o metro quadrado. É esse também o valor estipulado pelo corretor para o que chama de ‘‘nova descoberta do Litoral Sul’’: a praia de Cotovelo, mais precisamente Cotovelo Nova, com limites na Barreira do Inferno. ‘‘É uma praia ainda tranquila, os carros não podem passear nas beiras das praias, não há poluição e é próxima à Natal.

Já praias como Maracajaú e Touros, no Litoral Norte, têm em média R$ 150 o preço do metro quadrado. Em Touros há pousadas com nível de primeiro mundo, construídas por portugueses, e em Maracajaú os noruegueses promoveram um crescimento acelerado no desenvolvimento de infra-estrutura na praia. ‘‘Onde os estrangeiros se instalaram houve valorização do imóvel e inflacionaram o mercado. Mas ainda são praias distantes e sem infra-estrutura suficiente, como já há nas praias do sul, como Pirangi. Mesmo nas praias mais próximas, como Redinha e Santa Rita, a falta de estrutura e muita poluição ambiental são fatores de desvalorização, mas afirma que ‘‘são praias com potencial enorme para investimento’’.

Em Ponta Negra os preços chegam a valorizar 100%. ‘‘São preços atípicos. Se colocam valores exorbitantes em seus imóveis, sem esperar compradores, mas aparece um estrangeiro e compra por aquele preço’’.

Fonte: Diário de Natal


RNIMOVEIS
OI - 84-99655-7141 WhatsApp - 84-98737-9062

Notícias