Em reunião com a prefeita Micarla de Sousa, empresas lusitanas reafirmaram interesse em participar de execução de projetos natalenses para o mundial. O projeto do Complexo Arena das Dunas, a ser construído para Copa do Mundo de 2014 em Natal, foi discutido às 17 horas desta terça-feira (28), pela prefeita Micarla de Sousa e representantes das empresas portuguesas Lusoarenas e construtora Opway.

“Este foi mais um encontro em que tivemos a oportunidade de conhecer o potencial de investimentos e a infraestrutura de empresas interessadas em participar deste projeto. A Lusoarenas, por exemplo, já havia manifestado seu desejo desde a época em que a comitiva da Federação Internacional de Futebol (Fifa) esteve em Natal para analisar a estrutura da cidade para ser sube-sede da copa do mundo”, explicou a prefeita Micarla de Sousa.

Segundo a chefe do executivo natalense, as empresas apresentaram seus projetos para a construção e operacionalização de estádios de futebol e arenas. “A Copa do Mundo mudará a cara da nossa cidade, pois estimulará a vinda de importantes projetos para Natal, assim como acelerará outros já em andamento. É importante conhecer e analisar as empresas que querem fazer parte dessa jornada. Nenhuma parceria ainda foi firmada”, afirmou a prefeita.

O Arena das Dunas será construído a partir de uma Sociedade de Propósitos Específicos (SPE), com 50% de participação da Prefeitura do Natal e 50% do Governo do Estado. “Nosso foco neste momento é na construção do estádio, que está orçado em R$ 309 milhões e que deve começar sua construção a partir de fevereiro do próximo ano”, informou Micarla de Sousa.

Projetos

“Queremos participar do processo de construção e também de operar e explorar a infraestrutura do Arena das Dunas, principalmente após a realização da Copa do Mundo de Futebol”, informou Marco Antônio Herling, vice-presidente executivo da Lusoarenas, durante a reunião.

A Lusoarenas é uma empresa portuguesa que atua no desenvolvimento de uma nova geração de estádios de futebol, arenas multiusos e centros de convenções e exposições em todo o mundo. “Atuamos desde o desenvolvimento do conceito à gestão dos empreendimentos, como no estudo da viabilidade, projetos de arquitetura, soluções de financiamento, administração, exploração e operação”, disse Marco Herling.

A empresa tem como parceiros a Global Spectrum, que atua na operacionalização de estádios e que é uma subsidiária do grupo Comcast Spector, grupo americano do setor de comunicações, além da Staduim Capital Financing Group, que trabalha na captação de financiamentos de projetos e que é controlada pela Morgan Stanley Principal Investment.

“Considero o Arena das Dunas um projeto extremamente viável para Natal, que estimulará muito o crescimento da economia local”, afirmou José Maria Nieto, representante da Opway, empresa do mercado imobiliário com ações em Portugal, Ásia e África.

Lusoarenas reafirma interesse no Complexo das Dunas

A empresa portuguesa Lusoarenas vai mesmo integrar a parceria público privada (PPP) para a construção da Arena das Dunas, em Natal-RN. Duas reuniões, anteontem, entre a governadora Wilma de Faria, a prefeita Micarla de Sousa e representantes de empresas portuguesas reafirmaram o interesse luso em investir na capital do Rio Grande do Norte. O vice-presidente da Lusoarenas, Marco Antonio Herling, anunciou também a participação da construtora Opway. Em entrevista, Herling precisou que caberá à Lusoarenas a operação do novo estádio por um período de 15 anos, prorrogável por mais 15 anos e a participação na estruturação da solução financeira.

"Nosso foco é operar o estádio, mas queremos participar desde a formatação do projeto do estádio até a captação de recursos e a atração de outros investidores", disse Marco Antônio Herling. Ele disse ter acreditado no projeto desde o começo e que seu grupo está acostumado a trabalhar com obras complexas e urgentes. "Sabemos das obrigações e desafios, mas estamos preparados inclusive para atrair outros investidores", afirmou o executivo.

A Lusoarenas assinou recentemente em São Paulo um contrato com o Corinthians para assessoria na reforma do Parque São Jorge e a construção de um novo centro de treinamento do clube, além de estudos para construir e gerir um novo estádio, com 45 mil a 50 mil lugares.

No final de 2007 Herling declarou à revista Exame que a Lusoarenas planejava investir 1,2 bilhão de euros no país nos próximos cinco anos. Citou também parcerias com empresas internacionais, como o Global Spectrum (empresa de sistemas de gestão para a área de eventos e esportes), e o Stadium Capital, uma divisão do banco Morgan Stanley.


RNIMOVEIS
OI - 84-99655-7141 WhatsApp - 84-98737-9062

Notícias